20 de mar de 2012

2º Capitulo de " The Son of Neptune "


Oii, tudo bem com vocês, eu postei o 1º capitulo e perguntei se vocês queriam o 2º, teve uma ou outra pessoa que não quis, mas alguns amigos meus da escola e pessoas que visitam o blog me pediram pra continuar postando, então eu continuarei =D
espero realmente que gostem, e caso não gostem que eu poste, é simples, não leia.

2º CAPITULO - PERCY

UMA ÚNICA COISA QUANDO ESTIVER DESPENCANDO a 80 km/h
em uma bandeja de petiscos – se perceber que é uma má idéia quando se está
na metade do caminho, já é tarde demais.
Percy por pouco escapou de uma árvore, raspou numa pedra e girou
trezentos e sessenta graus se atirando em direção à rodovia. A estúpida
bandeja de petiscos não tinha direção hidráulica. Ele ouviu as irmãs
górgonas gritando e um vislumbre do cabelo de coral de Euryale no topo da
colina, mas não teve tempo para se preocupar com isso. O telhado do
apartamento pairava abaixo dele como a proa de um navio de batalha.
Colisão frontal em dez, nove, oito...
Ele conseguiu girar para o lado para evitar quebrar as pernas no
impacto. A bandeja deslizou pelo telhado e velejou pelo ar. A bandeja foi
para um lado. Percy foi para o outro.
Enquanto caía na direção da rodovia, uma cena horrível passou pela
sua mente: seu corpo sendo esmagado contra o pára-brisas de um carro
esportivo, algum suburbano irritado tentando empurrá-lo com os limpadores.
Garoto idiota de dezesseis anos caído do céu! Estou atrasado!
Milagrosamente, uma rajada de vento soprou de um lado – o
suficiente para tirá-lo da rodovia e cair em um amontoado de arbustos. Não
foi uma aterrissagem suave, mas era melhor que o asfalto.
Percy grunhiu. Ele queria ficar ali e desmaiar, mas tinha que
continuar em movimento.
Ele lutou para ficar de pé. Suas mãos estavam arranhadas, mas
nenhum osso parecia estar quebrado. Ele ainda tinha a mochila. Em algum
lugar da viagem de trenó ele havia perdido a espada, mas Percy sabia que
reapareceria a qualquer hora em seu bolso na forma de caneta. Era parte de
sua magia.
Ele olhou para a colina. Era difícil de perder as górgonas, com os
cabelos coloridos de cobra e as vestes verdes brilhantes do Bargain Mart.
Elas estavam descendo o declive, mais lentas que Percy, mas com um pouco
mais de controle. Aqueles pés de galinha deviam ser bons em escalada.
Percy supôs que talvez tivesse cinco minutos antes de elas o alcançarem.
Perto dele, uma alta cerca de arame separava a rodovia de uma
vizinhança de ruas sinuosas, casas confortáveis e árvores de eucalipto. O
arame provavelmente estava lá para impedir as pessoas de irem no meio da
rodovia e fazerem coisas idiotas – como esquiar em uma bandeja pela pista –
mas as correntes estavam cheias de buracos. Percy podia facilmente entrar
na vizinhança. Talvez ele pudesse encontrar um carro e dirigir para oeste
para o oceano. Ele não gostava de roubar carros, mas nas últimas semanas,
em situações de vida e morte, ele havia “emprestado” vários, inclusive uma
viatura policial. Ele iria devolvê-los, mas os carros nunca duraram muito
tempo.
Ele olhou para o leste. Bem como havia adivinhado, uma centena de
metros da rodovia cortava a base do penhasco. Duas entradas de túneis, um
para cada direção do tráfego, o encaravam como duas órbitas de uma caveira
gigante. No meio, onde estaria o nariz, uma parede de cimento se sobressaía
da colina, com uma porta de metal, como a entrada de uma carvoeira.
Devia ser um túnel de manutenção. Isso é provavelmente o que os
mortais pensariam se notassem a porta, de qualquer forma. Mas eles não
podiam ver através da Névoa. Percy sabia que a porta era mais que isso.
Duas crianças de armadura flanqueavam a entrada. Elas vestiam uma
mistura bizarra de elmos romanos, couraças, bainhas, jeans, camisetas roxas,
e tênis de atletismo branco. O guarda da direita parecia uma garota, era
difícil de ter certeza com toda aquela armadura. O da esquerda era um cara
baixo e forte com um arco e aljava nas costas. Os dois seguravam bastões de
madeira com pontas de ferro, como arpões à moda antiga.
O radar interno de Percy silvava como louco. Depois de tantos dias
horríveis, ele finalmente havia chegado à sua meta. Seus instintos diziam que
se passasse pela porta, devia encontrar segurança pela primeira vez desde
que os lobos que o tinham mandado para o sul.
Então por que ele sentia tanto medo?
Mais acima da colina, as górgonas estavam pulando sobre o telhado
do apartamento. Três minutos de distância – talvez menos.
Parte dele queria correr para a porta da colina. Ele teria que entrar no
meio da rodovia, mas então seria uma corrida curta. Ele podia fazer isso
antes das górgonas alcançarem-no.
Parte dele queria rumar a oeste para o oceano. Era onde ele estaria a
salvo. Era onde seu poder seria maior. Aqueles guardas romanos na porta
deixavam-no preocupado. Algo dentro dele dizia: Esse não é meu território.
Isso é perigoso.
— Você está certo, é claro. — Disse uma voz perto dele.
Percy pulou. Primeiro ele achou que Beano tinha se esgueirado
sorrateiramente até ele, mas a senhora sentada nos arbustos era até mais
repulsiva que a górgona. Ela parecia uma hippie que tinha sido chutada para
o lado da estrada talvez há quarenta anos atrás, onde esteve colecionando
lixo e trapos desde então. Ela usava um vestido feito de tecido tie-dye,
mantas rasgadas e sacos de plástico de supermercado. Seus tufos de cabelo
crespo eram marrom-cinzentos, como espuma de root bear, amarrados para
trás com uma faixa com o sinal da paz. Verrugas cobriam seu rosto. Quando
ela sorriu, mostrou exatamente três dentes.
— Não é um túnel em manutenção. — Confessou. — É a entrada
para o acampamento.
Um estremecimento subiu pela espinha de Percy. Acampamento. É,
era de onde ele veio. Um acampamento. Talvez essa fosse sua casa. Talvez
Annabeth estivesse por perto.
Mas algo parecia errado.
As górgonas ainda estavam no telhado do apartamento. Então
Stheno gritou de alegria e apontou na direção de Percy.
A velha hippie ergueu as sobrancelhas.
— Não há muito tempo, criança. Você precisa fazer sua escolha.
— Quem é você? — Percy perguntou, pensando que não tinha
certeza se queria saber. A última coisa que precisava era de outra mortal
inofensiva que se transformava em um monstro.
— Ah, pode me chamar de Juno. — Os olhos da senhora cintilaram
como se tivesse feito uma piada excelente. — É Junho, não é? Eles
nomearam o mês por minha causa!
— Certo... Olha, tenho que ir. Duas górgonas estão vindo. Não quero
que elas te machuquem.
Juno cruzou as mãos sobre o coração.

— Que fofo! Mas isso faz parte de sua escolha!
— Minha escolha...
Percy olhou nervoso na direção da colina. As górgonas tinham tirado
as vestes verdes. Asas saíram de suas costas – pequenas asas de morcego,
que brilhavam como bronze.
Desde quando elas tinham asas? Talvez fossem decorações. Talvez
fossem muito pequenas para erguer uma górgona no ar. Então as duas irmãs
saltaram do apartamento e dispararam na direção dele.
Legal. Muito legal.
— Sim, uma escolha. — Juno disse, como se estivesse sem pressa.
— Pode me deixar aqui à mercê das górgonas e ir para o oceano. Chegaria lá
com segurança, eu garanto. As górgonas ficarão bem felizes de me atacar e
te deixar ir. No mar, nenhum monstro vai incomodá-lo. Estará seguro no
fundo do mar. Pode começar uma nova vida, viver até a maturidade, e
escapar de uma grande dose de dor e sofrimento que está em seu futuro.
Percy tinha certeza de que não iria gostar da segunda opção.
— Ou?
— Ou você pode fazer um favor para uma velha senhora. Carregueme
para o acampamento com você.
— Carregar você?
Percy esperava que ela estivesse brincando. Então Juno arrumou a
saia e o mostrou o pé inchado e roxo.
— Não posso chegar lá sozinha. — Disse ela. — Me carregue para o
acampamento do outro lado da rodovia, pelo túnel, e do outro lado do rio.
Percy não sabia o que ela queria dizer com rio, mas isso não parecia
ser fácil. Juno parecia ser muito pesada. As górgonas estavam a apenas 80
metros de distância agora, deslizando na direção dele porque sabiam que a
caça estava quase acabada.
— E eu teria que te carregar até esse acampamento por quê...?
— Porque seria uma gentileza! — Disse ela. — E se não fizer isso,
os deuses morrerão, o mundo que conhecemos perecerá, e todos de sua
antiga vida serão destruídos. Claro, você não se lembraria deles, então
suponho que isso não importa. Você estará seguro no fundo do mar...
Percy engoliu. As górgonas gritaram e mergulharam para atacar.
— Se eu for para o acampamento, — ele disse, — vou conseguir
minha memória de volta?
— Possivelmente. — Disse Juno. — Mas atenção, você vai se
sacrificar muito! Vai perder a marca de Aquiles. Você vai sentir dor,
sofrimento e perder tudo o que já conheceu. Mas pode ter uma chance de
salvar seus velhos amigos e recuperar sua antiga vida.
As górgonas estavam circulando no ar, provavelmente estudando a
velha, imaginando quem seria o novo jogador antes de atacar.
— E os guardas na porta? — perguntou Percy.
Juno sorriu.
— Ah, eles vão deixar você entrar, querido. Pode confiar naqueles
dois. Então, o que me diz? Vai ajudar uma senhora indefesa?
Percy duvidava de que Juno fosse indefesa. No pior dos casos se
tratava de uma armadilha. Na melhor das hipóteses este era uma espécie de
teste. Percy odiava testes. Desde que perdeu sua memória, sua vida era um
grande preencha-o-vazio. Ele era ___________, de __________. Se sentia
_______________ e se os monstros o pegassem, ele seria ___________.
Então pensou em Annabeth, a única parte da sua antiga vida que ele
se lembrava, que tinha certeza. Ele tinha que encontrá-la.
— Eu vou te carregar. — Percy pegou a velha.
Ela era mais leve do que ele esperava. Percy tentou ignorar seu
hálito azedo e as mãos calejadas que agarraram o seu pescoço. Ele
atravessou o trânsito. O motorista buzinou, outro gritou algo que foi se
perdendo no vento. A maioria apenas desviou e olhou irritado, como se
tivessem que lidar com um monte de crianças carregando velhas hippies por
toda a rodovia em Berkeley.
Uma sombra pairou sobre ele. Stheno gritou alegremente:
— Garoto esperto! Achou uma deusa para carregar, não é?
Uma deusa?
Juno gargalhou com prazer, murmurando Oooopa, com um carro
quase os matando.
Em algum lugar à esquerda, Euryale gritou:
— Peguem-nos! Dois prêmios são melhores que um!
Percy fugiu para o outro lado da pista. De algum jeito chegou vivo.
Ele viu as górgonas descendo, carros desviando enquanto os monstros
passavam. Ele se perguntou o que os mortais viam através da Névoa –
pelicanos gigantes? Alguém de asa delta fora de curso? A loba Lupa disse a
ele que as mentes mortais não conseguiam acreditar em nada – exceto na
verdade.
Percy correu para a porta da colina. Juno ficava mais pesada a cada
passo. O coração de Percy deu um pulo. Suas costelas doeram. Um dos
guardas gritou. O cara com o arco tirou uma flecha. Percy gritou:
— Esperem!
Mas o garoto não estava mirando nele. A flecha passou perto da
cabeça de Percy. Uma górgona gemeu de dor. O segundo guarda preparou a
lança, gesticulando freneticamente para Percy se apressar.
Oitenta metros da porta. Quarenta e oito.
— Te peguei! — Berrou Euryale. Percy virou enquanto uma flecha
batia na testa dela. Euryale rolou pela pista. Um caminhão a acertou e a
empurrou por algumas centenas de metros, mas ela só escalou a cabine, tirou
a flecha da cabeça e voltou ao ar.
Percy chegou à porta.
— Valeu. — Ele disse aos guardas. — Bom tiro.
— Isso devia tê-la matado! — o arqueiro protestou.
— Bem-vindo ao meu mundo. — Percy murmurou.
— Frank, — a garota disse. — Traga-os para dentro, rápido!
Aquelas são górgonas.
— Górgonas? — A voz do arqueiro fraquejou. Era difícil falar muito
sobre ele, por baixo do elmo, mas ele parecia forte como um lutador, talvez
com catorze ou quinze anos. — A porta vai segurá-las?
Nos braços de Percy, Juno gargalhou. — Não, não vai. Adiante,
Percy Jackson! Atravesse o túnel, o rio!
— Percy Jackson? — A guarda tinha pele escura, com cabelo
encaracolado por baixo do elmo. Ela parecia mais nova que Frank – talvez
treze anos. Sua espada embainhada descia quase até o tornozelo. Mesmo
assim, Ela soava como a encarregada.
— Certo, você obviamente é um semideus. Mas quem é a... — Ela
olhou para Juno. — Não importa. Só entrem. Vou dar cobertura.
— Hazel, — o garoto disse. — Não banque a maluca.
— Vai! — ela exigiu.
Frank amaldiçoou em outra língua – era latim? – e abriu a porta.
— Vamos!
Percy seguiu, cambaleando com o peso da senhora, que estava
definitivamente ficando mais pesada. Ele não sabia como aquela Hazel
seguraria as górgonas sozinha, mas ele estava muito cansado para discutir.
O túnel atravessava a rocha sólida, com a largura e altura de um
corredor de escola. Primeiro parecia um típico túnel de manutenção, com
cabos elétricos, sinais de perigo e caixas de fusão nas paredes, lâmpadas em
gaiolas de fio ao longo do teto. Enquanto corria para o fundo da colina, o
chão de cimento mudava para azulejos de mosaico. As luzes mudaram para
tochas de canavial, que queimavam, mas não soltavam fumaça. Alguns
metros à frente, Percy viu um retângulo de luz do dia.
A senhora estava agora mais pesada que uma pilha de sacos de areia.
Os braços de Percy sacudiram a tensão. Juno murmurou uma música em
latim, como uma canção de ninar, que não ajudou Percy a se concentrar.
Atrás dele, as vozes das górgonas ecoaram no túnel. Hazel gritou. Percy
ficou tentado a descarregar Juno e voltar para ajudar, mas então o túnel
inteiro sacudiu com o rugido de pedras caindo. Houve um som de grito,
como as górgonas tinham feito quando Percy derrubou bolas de boliche
encaixotadas nelas em Napa. Ele olhou para trás. O fim oeste do túnel agora
estava cheio de poeira.
— Não deveríamos ver se Hazel está bem? — ele perguntou.
— Ela vai ficar bem... espero. — Frank disse. — Ela é boa no
subterrâneo. Fique correndo! Estamos quase lá.
— Quase onde?
Juno riu. — Todas as estradas o levam aqui, criança. Devia saber
disso.
— Detenção? — Percy perguntou.
— Roma, criança. — A senhora disse. — Roma.
Percy não tinha certeza que havia ouvido certo. Verdade, sua
memória se fora. Seu cérebro não se sentia bem desde que havia acordado na
Casa dos Lobos. Mas ele tinha certeza absoluta que Roma não ficava na
Califórnia.

Eles continuaram correndo. A luz no fim do túnel ficou mais
brilhante, e finalmente saíram à luz do sol.
Percy congelou. Sobre seus pés estava um vale em forma de tigela
de vários metros de largura. O chão do vale estava repleto de pequenas
colinas, planícies douradas e trechos de floresta. Um pequeno rio claro
desaguava em um lago no centro e ao redor do perímetro.
Devia ser em algum lugar ao norte da Califórnia – carvalhos vivos e
árvores de eucalipto, colinas douradas e céu azul. Aquela montanha grande
do interior – como era chamada, Monte Diablo? – ascendia à distância, bem
aonde devia estar.
Mas Percy sentiu como se tivesse entrado em um mundo secreto. No
centro do vale, abrigado pelo lago, estava um cidadezinha de edifícios de
mármore branco com telhados de telha vermelha. Alguns tinham abóbadas e
arcadas de colunas, como monumentos nacionais. Outros pareciam palácios,
com portas douradas e jardins largos. Ele podia ver uma praça com colunas
independentes, fontes e estátuas. Um coliseu romano de cinco andares
brilhava no sol, perto de uma longa arena oval como uma pista de corrida.
Do lado sul, outra colina estava dotada com mais prédios
impressionantes – templos, Percy adivinhou. Várias pontes de pedra
atravessavam o rio como se atravessassem o vale, e no norte uma longa linha
de arcos estendidos nas colinas rumo à cidade. Percy achou que parecia um
trilho de trem elevado. Então ele percebeu que devia ser um aqueduto.
A parte mais estranha do vale estava logo abaixo dele. A cerca de
trezentos e vinte metros, do outro lado do rio, estava algum tipo de
acampamento militar. Tinha cerca de um quilômetro quadrado, com
muralhas térreas por todos os quatro lados, os topos alinhados com espigões
afiados. Do lado de fora das paredes corria um fosso, também repleto de
espigões. Torres de vigia de madeira ascendiam de cada canto, tripuladas por
sentinelas com bestas enormes. Faixas roxas estavam penduradas nas torres.
Um portão aberto no lado distante do acampamento, levando na direção da
cidade. Uma porta mais estreita estava fechada à margem do rio. Dentro, a
fortaleza fervilhava de atividades: dúzias de crianças indo e voltando de
quartéis, carregando armas, polindo armaduras. Percy ouviu o barulho de
martelos na forja e cheiro de carne cozinhando na fogueira. Algo naquele
lugar parecia muito familiar, mas nem tanto.

— Acampamento Júpiter. — Frank disse. — Estaremos a salvo
assim que...
Passos ecoaram no túnel atrás deles. Hazel saiu na luz. Ela estava
coberta com poeira de pedra e ofegando. Ela tinha perdido o elmo, então seu
cabelo encaracolado caía pelos ombros. Sua armadura tinha longas marcas
de corte na frente pelas patas de uma górgona. Um dos monstros tinha
marcado-a com uma etiqueta de 50% de desconto.
— Eu as atrasei um pouco, — ela disse. — Mas estarão aqui em
segundos.
Frank amaldiçoou.
— Temos que atravessar o rio.
Juno apertou o pescoço de Percy com mais força. — Ah, sim,
obrigada. Não posso molhar meu vestido.
Percy mordeu sua língua. Se essa senhora era mesmo uma deusa, ela
devia ser a deusa do mau cheiro, do peso ou dos hippies inúteis. Mas ele já
tinha chego tão longe. Seria melhor mantê-la por perto.
É uma gentileza, ela havia dito. E se não fizer isso, os deuses
morrerão, o mundo que conhecemos perecerá, e todos de sua antiga vida
serão destruídos.
Se fosse um teste, ele não podia tirar um zero.
Cambaleou algumas vezes enquanto corria para o rio. Frank e Hazel
o seguiram. Eles chegaram à margem do rio, e Percy parou para recuperar o
fôlego. A correnteza era rápida, mas o rio não era muito profundo. Só uma
rocha estava atravessando na direção dos portões da fortaleza.
— Vai, Hazel. — Frank tirou duas flechas de uma vez. — Escolte
Percy para a entrada em segurança. É minha vez de segurar esses caras.
Hazel assentiu e foi para a margem. Percy começou a seguir, mas
algo o fez hesitar. Geralmente ele adorava a água, mas esse rio parecia...
Poderoso, e não necessariamente amigável.
— O Pequeno Tibre. — Disse Juno simpática. — Flui com o poder
do Tibre original, rio do império. É sua última chance de voltar, criança. A
marca de Aquiles é uma benção grega. Não pode contê-lo se entrar no
território romano. O Tibre vai lavá-lo.
Percy estava muito exausto para entender tudo aquilo, mas pegou o
ponto principal.

— Se eu atravessar, não vou mais ter pele de ferro?
Juno sorriu. — Então o que vai ser? Segurança, ou um futuro de dor,
possivelmente?
Atrás dele, as górgonas gritaram enquanto voavam do túnel. Frank
deixou as flechas voarem.
Do meio do rio Hazel gritou:
— Percy, vem logo!
No topo das Torres de vigia, trompas soaram. As sentinelas tiraram e
miraram os arcos na direção das górgonas. Annabeth, Percy pensou. Ele
entrou no rio. Era gelado, muito mais que imaginava, mas não importava
para ele. Uma nova força surgiu por seus membros. Seus sentidos
formigaram como se tivesse sido injetada cafeína nele. Ele chegou ao outro
lado e colocou a mulher no chão enquanto os portões do acampamento se
abriam. Dúzias de crianças de armadura saíram. Hazel deu um sorriso
aliviado. Então olhou por cima do ombro de Percy, e sua expressão mudou
para horror.
— Frank!
Frank estava no meio do caminho pelo rio quando as górgonas o
pegaram. Elas desceram do céu e o agarraram em cada braço. Ele gritou de
dor enquanto as patas arranhavam sua pele.
As sentinelas gritaram, mas Percy sabia que eles não podiam atirar
livremente. Eles acabariam matando Frank. As outras crianças
desembainharam as espadas e estavam prontas para entrar na água, mas
estavam atrasadas.
Só havia um jeito.
Percy impulsionou as mãos. Uma sensação intensa e desagradável
preencheu seu intestino, e o curso do rio Tibre obedeceu a seu comando. O
rio se elevou de cada lado de Frank. Mãos gigantes de água surgiram do
córrego, copiando os movimentos de Percy. As mãos gigantes agarraram as
górgonas, que derrubaram Frank, surpresas. Então as mãos levantaram os
monstros que gritavam com seus punhos líquidos. Percy ouviu as outras
crianças gritarem e recuarem, mas continuou focado em sua tarefa. Ele fez
um gesto esmagador com seus pulsos, e as mãos gigantes afundaram as
górgonas no Tibre. Os monstros chegaram ao fundo e viraram pó. Nuvens
brilhantes da essência das górgonas lutavam para se refazer, mas o rio os
separou como um liquidificador. Logo, todo o traço das górgonas tinham descido rio abaixo. Os redemoinhos sumiram, e a correnteza voltou ao
normal.
Percy ficou na margem. Suas roupas e pele soltavam vapor como se
as águas do Tibre o tivessem dado um banho de ácido. Ele se sentiu exposto,
sensível... Vulnerável.
No meio do Tibre, Frank tropeçou, parecendo aturdido, mas
perfeitamente bem. Hazel nadou até ele e o ajudou a chegar até a margem.
Só então Percy percebeu que as outras crianças haviam ficado quietas.
Todos estavam olhando para ele. Só a senhora, Juno, parecia não
estar abalada.
— Bem, foi um passeio adorável. — Ela disse. — Obrigada, Percy
Jackson, por me trazer ao Acampamento Júpiter.
Uma das garotas pareceu chocada.
— Percy... Jackson?
Soou como se ela reconhecesse seu nome. Percy focou nela,
esperando ver um rosto familiar.
Ela era obviamente uma líder. Vestia um manto roxo majestoso
debaixo da armadura. Seu busto estava decorado com medalhas. Devia ter a
idade de Percy, com olhos escuros perfurantes. E cabelo preto longo. Percy
não a reconheceu, mas a garota o encarou como se o tivesse visto em seus
pesadelos.
Juno riu com prazer. — Ah, sim! Vocês vão se divertir muito juntos!
Então, só porque o dia já não tinha sido estranho o suficiente, a
senhora começou a brilhar e mudar de forma. Ela cresceu até virar uma
deusa de dois metros de altura em um vestido azul, com um manto que
parecia pele de bode sobre seus ombros. Seu rosto era severo e espantoso.
Em sua mão estava um cajado com uma flor de lótus no topo.
Se fosse possível os campistas parecerem mais pasmos, eles
conseguiram. A garota de manto roxo se ajoelhou. Os outros seguiram a
líder. Uma criança caiu tão rápido que quase se cortou com a espada.
Hazel foi a primeira a falar.
— Juno.
Ela e Frank também caíram de tornozelos, deixando Percy, o único
de pé. Ele sabia que provavelmente devia se ajoelhar também, mas depois de ter carregado a senhora para tão longe, não sentiu que deveria dar-lhe muito
respeito.
— Juno, hein? — ele disse. — Se passei no seu teste, posso ter
minha memória e minha vida de volta?
A deusa sorriu.
— Na hora certa, Percy Jackson, se obter sucesso neste
acampamento. Você foi bem hoje, o que é um bom começo. Talvez ainda
haja esperança para você.
Ela se virou para as outras crianças.
— Romanos, apresento-lhes o filho de Netuno. Por meses ele esteve
adormecido, mas agora está despertado. O destino dele está em suas mãos. A
Roda da Fortuna se aproxima rapidamente, e a Morte deve ser libertada se
quiserem ter qualquer esperança em batalha. Não falhem comigo!
Juno tremeluziu e desapareceu. Percy olhou para Hazel e Frank para
algum tipo de explicação, mas eles pareciam tão confusos quanto ele. Frank
estava segurando algo que Percy não havia notado antes - dois frasquinhos
de argila com rolhas, como poções, um em cada mão. Percy não tinha ideia
de onde vieram, mas viu Frank guardá-los no bolso. Frank deu um olhar a
ele como Vamos falar sobre isso depois.
A garota de manto roxo deu um passo à frente. Ela examinou Percy
cautelosamente e Percy não pôde afastar a impressão de que ela queria correr
até ele e atravessá-lo com a adaga.
— Então, — disse friamente — um filho de Netuno, que veio até nós
com a benção de Juno.
— Olha, — ele disse — minha memória está um pouco maluca. Hã,
desapareceu na verdade. Eu te conheço?
A garota hesitou.
— Sou Reyna, pretora da Vigésima Legião. E não, eu não te
conheço.
Essa última parte era mentira. Percy podia dizer pelos olhos dela.
Mas ele também entendeu que se discutisse com ela sobre isso ali, na frente
dos soldados, ela poderia não gostar.
— Hazel, — disse Reyna — traga-o para dentro. Quero questioná-lo
na principia. Então o mandaremos para Octavian. Devemos consultar os
agouros antes de decidir o que fazer com ele.
— O que quer dizer — Percy perguntou — com 'decidir o que fazer
comigo'?
As mãos de Reyna tocaram a adaga. Obviamente ela não estava
acostumada a ter suas ordens questionadas.
— Antes de aceitar qualquer um no acampamento, devemos
interrogá-lo e ler os agouros. Juno disse que seu destino está em nossas
mãos. Temos que saber se Juno nos trouxe um novo recruta... — Reyna
estudou Percy como se achasse um problema. — Ou — ela disse mais
esperançosamente — se nos trouxe um inimigo para matar.



0 Mensagens de Íris:

Postar um comentário

Fiquem a vontade para comentar.
Deixe sua opinião, sugestão, ou tire suas dúvidas :D
Att,
Staff

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | GreenGeeks Review